Todos os posts em: Uncategorized

Sobre capitalismo, frustrações, crise e oportunidades

Terceirizados, freelas e autônomos. Somos parte de uma geração que não tem carteira assinada, que não tem direitos trabalhistas e que provavelmente viverá de aluguel pra sempre – por quê pelo menos por aqui a perspectiva de juntar 300 mil pra comprar um imóvel, ou até mesmo os 20 mil de entrada, é nula. Pelo andar da carruagem, quando ficarmos velhos dificilmente receberemos aposentadoria do governo (ou você acha que a Previdência vai aguentar até quando?) …E então, como nos posicionar frente à crise? Como melhorar nossa relação com o dinheiro? Eu nasci numa família de classe média em decadência, o que quer dizer que meu avô deu pro meu pai uma condição de vida melhor que meu pai conseguiu me dar, e que pelo andar da carruagem, eu darei pros meus filhos uma condição de vida menor que meu pai conseguiu me dar. Isso materialmente falando, é lógico. Ainda assim, durante o ensino fundamental e médio, meus pais fizeram um sacrifício tremendo pra pagar as mensalidades da escola de classe abonada que eu estudei. Acho …

“Minha gangue é do guettho, e elas são más”! Lurdez da Luz, Lay e outras gang$taz do rap de mina nacional

Muita gente que me acompanha nesse blog não sabe, mas entre outras ocupações da pós-modernidade, sou DJ de hip hop e funk. Felizmente, a gente é composto por muitos interesses e assuntos. Tenho falado muito de amor e sexo por aqui, mas se eu tenho uma paixão e um vício na vida, uma arte que me interessa, muito mais do que homem, é a música. Já falei um pouco da minha relação com o rap nesse post aqui: Mulher também gosta, faz, pensa e escuta hip hop Vou me esforçar em escrever mais sobre som por aqui, selecionar umas músicas, fazer umas playlists. Pra agora, selecionei uns lançamentos do rap de mina que acabaram de sair do forno! E as mina tão gang$ta viu? Lay – Ghettho Woman “Minha gang é do guettho… e elas são más!!! Representam o que vários dizem jamais” Lurdez da Luz – Niaja  “Por que eu sou da pior quebrada do Mundaréu E eu vou que vou, melhor ser suspeita do que ser réu” Karol Conka – É o poder  “Só não vem dizer que eu …

O choque de ver Bento Rodrigues ao vivo

Há 25 dias atrás, no dia dia 5 de novembro,  o Brasil testemunhou o maior desastre ambiental de sua história. Uma barragem que continha rejeitos de mais de dez anos de mineração da empresa Samarco (uma filha das gigantes Vale e BHP) rompeu, derramando mais de 62 milhões de litros de lama extremamente tóxica no Rio Doce. Como lava de vulcão, a lama invadiu em primeiro lugar a cidade de Bento Rodrigues, causando sua imediata destruição. Localizado há 51 km de Mariana, o distrito situa-se no vale (ou seja, na parte mais baixa) de um conjunto de montanhas. A Barragem do Fundão, por sua vez, ficava no cume de uma das montanhas da região, acumulando ali uma imensa energia potencial de destruição. Quando a barragem rompeu e aquele volume imenso de lama começou a descer a muitos kilômetros por hora, engolindo tudo que via pela frente, os moradores tiveram cerca de 10 minutos para evacuar a cidade. As pessoas perderam tudo que tinham. Além dos bens materiais deixados pra trás (e fora a imensa tristeza …